Diástase abdominal pos parto: o que é e como corrigir?

Diástase abdominal, também chamada de separação abdominal, é uma condição em que o músculo reto abdominal está visivelmente e anormalmente separado ao longo da linea alba, que é a linha média do abdômen feita de tecido conjuntivo, causando a protuberância do conteúdo abdominal.

A diástase reto-abdominal é comumente vista em mulheres grávidas, com incidência de até 66% no terceiro trimestre.

Causas da diástase abdominal

A causa mais comum de diástase abdominal é a gravidez: alterações hormonais pareadas com o aumento do volume abdominal causam diástase abdominal em 2 de cada 3 mulheres durante o terceiro trimestre de gravidez. 1 ano após o parto, 1 em cada 3 mães ainda experimenta a separação dos músculos abdominais. Mulheres pequenas, mulheres mais velhas ou com gravidez múltipla (gêmeos, trigêmeos), ou mulheres multiparosas (tendo dado à luz mais de 1 bebê) correm maior risco de desenvolver a separação abdominal.

A diástase abdominal também pode ser vista em recém-nascidos e geralmente se resolve sem qualquer intervenção dentro do primeiro ano de vida. O inchaço não deve ser confundido com uma hérnia umbilical ou inguinal e é mais freqüentemente visto em bebês prematuros, pois eles nascem sem ter seus músculos abdominais totalmente desenvolvidos.

Ganhos de peso maiores ou perda de peso significativa pareada com uma parede abdominal fraca também podem causar separação abdominal tanto em homens quanto em mulheres.

A genética também desempenha um papel no desenvolvimento da diástase abdominal.

Sinais e Sintomas da diástase abdominal

O principal sinal de diástase abdominal é o inchaço na parede abdominal ao longo da linea alba. Embora não haja consenso sobre isto, quando deitado de costas em uma “posição de gaze” e realizando um sit-up parcial, se seus músculos abdominais esquerdo e direito estiverem separados por menos de 2 cm (cerca de 0,79 polegadas) você está dentro da faixa normal, se separados por mais de 2 centímetros então você tem uma diásstase abdominal.

Nem todos os pacientes com diástase abdominal sofrem de sintomas causados por esta condição. Quando os sintomas estão presentes, pode haver:

  • Dor ou desconforto no abdômen
  • Dor ou desconforto lombar nas costas
  • Instabilidade do núcleo
  • Instabilidade pélvica
  • Obstipação
  • Incontinência urinária
  • Incontinência fecal
  • Prolapso dos órgãos pélvicos
  • Dificuldades para completar tarefas que requerem ativação da musculatura abdominal
  • Questões psicológicas (má percepção da imagem corporal)

Enquanto na maioria dos casos a separação abdominal não requer tratamento e se resolve sozinha ao longo do tempo, quando os sintomas estão presentes é aconselhável buscar uma consulta com um especialista.

Na diástase abdominal, a fáscia do reto abdominal está intacta, embora geralmente mais fina: portanto, esta condição não deve ser confundida com uma hérnia abdominal que é causada por um buraco na fáscia e caracterizada por gordura intraperitoneal ou órgãos salientes através dela. Em alguns casos, as diástase abdominal e as hérnias ventrais ou umbilicais podem coexistir, sendo a primeira um fator de risco para o desenvolvimento da segunda.

Como é diagnosticada a diástase abdominal?

Um exame físico é o primeiro passo no diagnóstico com a separação abdominal visível e palpável; um paquímetro deve ser usado para realizar medições precisas.

Um ultra-som abdominal, uma tomografia computadorizada ou uma ressonância magnética são outros métodos confiáveis que podem ser usados para diagnosticar a diástase abdominal e para investigar melhor a condição.

Como corrigir a diástase abdominal?

Há várias opções de tratamento diferentes disponíveis para corrigir a diástase abdominal e atualmente não há diretrizes internacionais que digam qual é a melhor abordagem.

Na maioria das vezes, a diástase abdominal não requer cirurgia e são preferidas abordagens conservadoras. Em mulheres grávidas, bem como em bebês, a diástase abdominal tende a resolver por si só com o tempo. Quando os sintomas estão presentes ou quando há hérnias ventrais ou umbilicais concomitantes, você pode ser um candidato à intervenção cirúrgica.

Fisioterapia para diástase abdominal

A fisioterapia tem sido durante muito tempo a única opção de tratamento conservador (não cirúrgico) disponível para a diástase abdominal. Seria aconselhável iniciar o treinamento do núcleo antes de engravidar ou começar a condicionar o núcleo durante as primeiras semanas de gravidez para evitar que a separação abdominal ocorra em primeiro lugar.

A fisioterapia pode ser iniciada 6-8 semanas após o parto e deve ser realizada 3 vezes por semana durante pelo menos 8 semanas para ver alguns resultados (mas é melhor continuar por 6 meses). Os exercícios para melhorar a diástase abdominal incluem:

  • Exercício a vácuo no estômago, a contração isométrica do músculo transversus abdominis.
  • Exercícios para o assoalho pélvico
  • Técnicas de respiração com diafragma
  • Planks e outros exercícios abdominais tradicionais

Em casos selecionados, pode ser aconselhado o uso de suportes elásticos, de fitas adesivas ou o uso de espartilho. O mau uso do espartilho pode realmente piorar a condição.

A fisioterapia também pode ser uma terapia adjuvante à cirurgia: realizada antes e depois da correção cirúrgica da diástase abdominal, pode melhorar seu resultado com uma recuperação mais rápida e diminuir o risco de recidiva também.

Os métodos dos estudos disponíveis sobre este tópico, a falta de acompanhamento a longo prazo, a falta de grupo de controle, o fato de que a diástase abdominal se resolve freqüentemente sem tratamento dentro de um ano, evidências mistas e resultados de diferentes estudos, baixo número de pacientes envolvidos, estão entre os muitos fatores que tornam a evidência disponível sobre fisioterapia para o tratamento de diástase abdominal inconclusiva e baixo nível.

HIFEM (EMSCULPT) para diástase abdominal

Uma nova e promissora opção de tratamento para a separação abdominal é o HIFEM ou dispositivos eletromagnéticos de alta intensidade focalizados, como o EmSculpt. É um tratamento não invasivo que emprega estimulação eletromagnética para contrair os músculos na área alvo. É uma tecnologia poderosa, sem tempo parado e que requer cerca de 30 minutos de tempo que, de acordo com os testes, pode aumentar a espessura muscular em até 25%, diminuir os depósitos de gordura em cerca de 15% e diminuir a diástase abdominal de 10%, sendo os resultados estáveis e mantidos 1 ano após o tratamento. Sendo uma nova tecnologia, ainda faltam dados a longo prazo e grandes estudos populacionais.

Correção cirúrgica da diástase abdominal

Quando o espaço entre as barrigas do músculo reto abdominal é muito grande (~4 cm ou ~1,57 in), quando os sintomas são graves, quando o tratamento conservador falha e a diástase ou sintomas persistem por mais de 12 meses ou quando há hérnias concorrentes que precisam ser tratadas, a correção cirúrgica pode ser a melhor opção.

A escolha da técnica cirúrgica dependerá de suas características.

Todas as técnicas envolvem a aproximação dos músculos abdominais que são então suturados usando pontos absorvíveis ou permanentes.

  • Abdominoplastia aberta. Esta técnica permite que o cirurgião faça um excesso de pele, realizando uma abdominoplastia estética, ao mesmo tempo em que repara a diástase abdominal, deixando uma cicatriz linear mais longa do que outras técnicas.
  • Abdominoplastia aberta com malha. Esta técnica é a mesma que a anterior, mas o cirurgião também reforça a parede abdominal com uma malha. Ela é geralmente realizada quando uma ou mais hérnias coexistentes estão presentes.
  • Cirurgia laparoscópica. A cirurgia laparoscópica para separação abdominal tem a vantagem de ter uma taxa muito baixa de recorrência e baixa taxa de complicações. Ela deixa algumas cicatrizes curtas e tem uma recuperação mais rápida do que a cirurgia aberta.
  • Cirurgia laparoscópica com malha. A adição da malha reforça a parede abdominal para prevenir a recorrência de hérnias ventrais quando se opera com hérnias coexistentes enquanto se fixa a diástase abdominal.
  • Cirurgia assistida por robô. A cirurgia assistida por robô é uma técnica relativamente nova com a vantagem de ser o tipo de cirurgia mais precisa e menos traumática, com o mais curto tempo de recuperação. O tempo de operação é significativamente maior quando comparado à cirurgia aberta, mas os dados publicados atualmente mostram resultados promissores tanto para o tratamento da separação abdominal quanto para o tratamento simultâneo das hérnias.

Todas as técnicas em geral têm uma alta taxa de sucesso e tanto a baixa taxa de complicação como a baixa taxa de recorrência. A cirurgia melhora sintomas como dor nas costas, incontinência urinária e qualidade de vida em geral.

A correção cirúrgica da diástase abdominal também pode ser acompanhada de uma lipoaspiração para melhorar ainda mais o resultado cosmético, removendo a gordura obstinada da barriga e melhorando o contorno corporal. A lipoaspiração por si só não pode corrigir o inchaço causado pelos diástase abdominal: o inchaço é causado pelos órgãos internos empurrando para fora, não é um grande depósito de gordura em excesso.

A correção cirúrgica da separação abdominal é muitas vezes parte do que é conhecido como “mommy makeover”, pois aborda os efeitos colaterais cosméticos comuns resultantes da gravidez; algumas das cirurgias freqüentemente incluídas na “mommy makeover” e realizadas em uma única sessão cirúrgica são:

Se você quiser conhecer os melhores cirurgiões da Tailândia para um “mommy makeover”, para a correção cirúrgica de diástase abdominal ou para o tratamento HIFEM da separação abdominal, envie-me um e-mail usando o formulário de contato.

Referências

Share:

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on linkedin
Share on reddit
Share on vk
Share on tumblr
Share on mix
Share on skype
Share on telegram
Share on whatsapp

Save time and energy

For doctors or clinics recommendation, more information on the topic of this article or a free quotation

Subscribe to the Newsletter