Suplementos para aumentar a fertilidade feminina e a taxa de gravidez

Os suplementos podem ser usados com sucesso para aumentar a fertilidade feminina e as taxas de concepção. Eles não só podem ajudar a conseguir uma gravidez, mas também podem ajudar durante a gravidez a desenvolver um bebê saudável e após o parto durante o período de amamentação para apoiar o aumento da necessidade de nutrientes de uma mulher lactante.

Uma dieta saudável e equilibrada é fundamental para a prevenção de doenças e para a saúde em geral. Na população em geral, uma dieta saudável é suficiente para fornecer todas as vitaminas e minerais necessários, mas quando a dieta é pobre e desequilibrada, um suplemento pode fazer a diferença. Além disso, durante a gravidez e a amamentação, as necessidades de micronutrientes mudam e aumentam e a dieta por si só pode não ser mais suficiente. Finalmente, nossos estilos de vida e ambiente, como fumar, privação do sono, estresse, beber álcool e poluição aumentam os danos causados pelo estresse oxidativo por radicais livres às nossas células, fazendo da suplementação antioxidante uma boa escolha para combater esses compostos extra prejudiciais.

Deficiências de todos os nutrientes causam problemas de saúde, mas também o excesso de alguns deles pode ser prejudicial à saúde; é importante não apenas evitar deficiências, mas também evitar tomar suplementos extras quando não forem necessários. A vitamina A, por exemplo, também em outras formas como retinóides em produtos de cuidados com a pele, pode causar danos ao feto quando tomado em excesso; o uso de cremes ou suplementos contendo retinóides deve ser evitado e discutido com seu médico, uma vez que se demonstrou que eles exercem efeitos teratogênicos e causam síndrome retinóide fetal. Outras vitaminas podem interagir com alguns medicamentos: a vitamina E, por exemplo, aumenta os efeitos dos remédios para diluição do sangue. Por estas razões, sempre consulte seu médico e informe seu médico sobre qualquer suplemento que você tome ou planeje tomar.

Vamos agora analisar os suplementos mais promissores para aumentar a fertilidade e as taxas de concepção, com base nas atuais evidências médicas.

Suplementos Vitamínicos e de Minerais para a fertilidade feminina

As vitaminas e minerais são a forma mais conhecida de suplemento e são freqüentemente encontrados em combinação e vendidos como “multivitaminas”.

As vitaminas são elementos orgânicos que não podem ser sintetizados pelo corpo humano, embora algumas possam ser sintetizadas até certo ponto. As vitaminas são essenciais em pequenas quantidades para o bom funcionamento do organismo e são, portanto, necessárias para a vida.

Os minerais são elementos inorgânicos que não podem ser sintetizados de forma alguma pelo corpo humano e que são essenciais para o bom funcionamento e a saúde do organismo humano.

Tanto as vitaminas quanto os minerais são geralmente obtidos através da dieta. Eles são conhecidos como micronutrientes ou oligoelementos devido à pequena quantidade necessária diariamente quando comparados a macronutrientes como proteínas que precisamos em quantidades muito maiores.

Ácido fólico para a fertilidade feminina

Também conhecido como vitamina B9 ou como folatos, o ácido fólico é um suplemento recomendado para ser tomado pelo menos 1 mês antes de engravidar e para o primeiro trimestre durante a gravidez. A suplementação com ácido fólico tem sido associada a um menor risco de infertilidade anovulatória e a um tempo menor para a gravidez em alguns estudos. Além disso, ela evita defeitos maiores do cérebro e da coluna vertebral do bebê que ocorrem muito cedo na gravidez; ao planejar ter um bebê, a suplementação diária é aconselhada. A dose diária recomendada de suplemento é de pelo menos 400-800 mcg.

Vitamina B6

Também conhecida como piridoxina, a vitamina B6 pode desempenhar um papel na infertilidade inexplicável. Verificou-se que mulheres férteis têm níveis mais altos de vitamina B6 quando comparadas a mulheres inférteis; menores concentrações plasmáticas de vitamina B6 também foram encontradas em mulheres com histórico de aborto espontâneo recorrente. Isto pode ser devido ao fato de que a vitamina B6 ajuda a metabolizar a homocisteína: quando isto não acontece, uma pessoa pode experimentar hiper-homocisteinemia, uma condição médica reconhecida como fator de risco para várias doenças, incluindo doenças cardiovasculares e problemas de fertilidade. O RDA para vitamina B6 é de 1,3 mg, aumentado para 1,9 mg durante a gravidez e 2,0 mg durante a lactação.

Vitamina B12 para a fertilidade feminina

Também conhecida como cobalamina, a vitamina B12 é uma vitamina fundamental para o desenvolvimento de um feto saudável durante a gravidez e de um bebê saudável ao amamentar. A deficiência de vitamina B12 também tem sido ligada à menor fertilidade da mulher e sua suplementação está ligada a melhores resultados na busca de FIV. Aqueles que seguem uma dieta vegana correm maior risco de ter deficiência de vitamina B12, uma vez que ela é extraída principalmente de carne animal, laticínios e ovos. A dose diária recomendada (RDA) de vitamina B12 é de 2,4 mcg em adultos, 2,6 mcg em mulheres grávidas e 2,8 mcg em mulheres lactantes.

Vitamina C

Também conhecida como ácido ascórbico, a vitamina C é um antioxidante forte e um nutriente essencial para a biossíntese do colágeno em nossos corpos. Isto a torna fundamental para o crescimento do folículo ovariano e importante nas fases de ovulação e luteal. Sabe-se também que o tecido ovariano contém altos níveis de vitamina C. Em alguns estudos, ele demonstrou ser benéfico para melhorar a fertilidade; a dose diária recomendada como suplemento é de 500-1000 mg.

Vitamina D para a fertilidade feminina

A vitamina D não é benéfica apenas para a saúde óssea; seus receptores são encontrados em muitos tecidos, incluindo os órgãos reprodutivos. A vitamina D é um fator importante para a produção de progesterona e estrogênios, que influenciam a fertilidade. Embora a deficiência de vitamina D esteja ligada à menor fertilidade, a suplementação extra quando os valores sanguíneos estão dentro da faixa do valor normal não parece ser benéfica.

Vitamina E

Também conhecido como tocoferol, a vitamina E é outro poderoso antioxidante. O estresse oxidativo causado pelas espécies reativas de oxigênio (ROS) comumente conhecidas como “radicais livres” é um elemento chave em muitas doenças. O estresse oxidativo também pode afetar negativamente a fertilidade. O suplemento de vitamina E com uma dose diária de 200-600 IU (150-400 mg) pode ter efeitos benéficos sobre a fertilidade.

Zinco para a fertilidade feminina

O zinco é um mineral traço que desempenha um papel na saúde reprodutiva. Várias enzimas envolvidas na síntese de DNA são dependentes do zinco e o zinco também está implicado na via oxidativa. Sua deficiência está ligada a um tempo maior de gravidez. A Ingestão Diária Recomendada (RDA) para o zinco é de 8 mg para as mulheres.

Selênio

O selênio é um mineral traço essencial com múltiplas funções no corpo humano. A deficiência de selênio está ligada à infertilidade e a muitas patologias ovarianas e seu papel no sistema reprodutivo envolve a maturação dos folículos ovarianos. É também um componente das enzimas antioxidantes, ajudando a combater o estresse oxidativo ligado à infertilidade. Atualmente, a Ingestão Diária Recomendada (RDA) para o selênio é de 60 mcg.

Ferro para a fertilidade feminina

A deficiência de ferro pode contribuir para causar a infertilidade ovulatória e sua suplementação tem sido associada a uma melhor fertilidade. Nem todo ferro ingerido com alimentos é absorvido pelo corpo humano: sua biodisponibilidade é de cerca de 15% de fontes animais (ferro heme) e 8% de fontes vegetais (ferro não heme). O RDA para o ferro para mulheres adultas é de 18 mg, aumentado para 27 mg durante a gravidez.

Ácidos Graxos Essenciais (EFAs) para a fertilidade feminina

Como vitaminas e minerais, os ácidos graxos essenciais são moléculas que não podem ser sintetizadas pelo corpo humano e que são necessárias para o bom funcionamento e a boa saúde do organismo. Os únicos dois ácidos graxos essenciais para humanos são o ácido alfa-linolênico (ALA), um ácido graxo ômega-3, e o ácido linoleico (LA), um ácido graxo ômega-6.

Ácidos graxos ômega-3

Os ômega-3 são ácidos graxos polinsaturados especialmente abundantes em peixes e sementes. Existem três tipos de ácidos graxos ômega-3: ácido alfa-linolinoleico (ALA), ácido eicosapentaenóico (EPA) e ácido docosahexaenóico (DHA). O ALA é essencial, enquanto o EPA e o DHA podem ser sintetizados a partir do ALA.

Estudos recentes mostraram que a síntese endógena de ambos EPA e especialmente DHA é na verdade muito baixa, insuficiente e ineficiente; a única maneira de aumentar os níveis de EPA e DHA parece ser via dieta ou suplementação de cada ômega-3 específico.

Os ácidos graxos ômega-3 são estudados por seu papel na redução da inflamação, por suas propriedades neuroprotetoras e por desacelerar muitos processos de envelhecimento.

O peixe, uma das principais fontes de ômega-3, infelizmente também está mostrando ter altos níveis de mercúrio e outros metais pesados venenosos devido ao ambiente poluído, portanto, aumentar a ingestão de ômega-3 tomando um suplemento pode ser mais benéfico. Os ácidos graxos ômega-3 podem melhorar a qualidade dos ovos e a reserva ovariana nas mulheres acima de 35 anos; eles também podem aumentar os níveis de progesterona e melhorar a ovulação. A dose diária recomendada de suplemento de ômega-3 é de 1 grama.

Antioxidantes para a fertilidade feminina

Os antioxidantes são moléculas que ajudam a combater o estresse oxidativo. O estresse oxidativo é causado pela oxidação por Espécies Reativas de Oxigênio (ROS), comumente conhecidas como radicais livres. Há um equilíbrio entre oxidantes e antioxidantes e quando este é perturbado, a conseqüência é o estresse oxidativo e os danos celulares. Este tipo de dano está ligado ao envelhecimento e a muitas doenças que envolvem todos os sistemas do corpo humano, incluindo os efeitos negativos em muitas etapas da reprodução humana. Os antioxidantes também ajudam com a resposta imunológica.

As espécies reativas de oxigênio são aumentadas pelo fumo, poluição, consumo de álcool, estresse e por muitos outros fatores ambientais e de estilo de vida, bem como por condições médicas, tais como doenças crônicas e infecções.

Os antioxidantes podem ser obtidos através da dieta. Muitos micronutrientes como as vitaminas A, C e E possuem propriedades antioxidantes. Outros oligoelementos desempenham um papel no combate à oxidação, como o selênio, o zinco e as vitaminas do grupo B. Outros antioxidantes são sintetizados pelo corpo humano como o glutatião. E muitos mais podem ser obtidos através da dieta, a partir do chá verde, vinho, frutas, vegetais, … muitas plantas e derivados contêm diferentes moléculas com efeitos antioxidantes. Muitos estudos têm provado os efeitos benéficos dos antioxidantes, mas às vezes a dieta por si só não é suficiente para experimentar tais efeitos: o resveratrol, por exemplo, é um antioxidante encontrado no vinho. Estudos demonstraram efeitos positivos sobre a saúde com doses entre 25 mg e 5 gramas de resveratrol. A média de vinho contém 2 mg de resveratrol por litro, o que significa que para ingerir as doses mais baixas que foram experimentadas em estudos, deve-se beber pelo menos 12 litros de vinho com óbvias conseqüências negativas para a saúde. Em alguns casos, a suplementação é mais fácil, mais conveniente, mais econômica e mais benéfica do que aumentar a ingestão de antioxidantes através da dieta.

Coenzima Q10

Também conhecida como ubiquinona ou COQ10, a coenzima Q10 é essencial para a produção de energia dentro das células e é também um antioxidante. Sua suplementação foi comprovadamente benéfica em FIV e ICSI, levando à melhoria da qualidade e quantidade de ovos. Uma suplementação diária de 600 mg pode ser benéfica para melhorar a fertilidade nas mulheres.

Picnogenol

Também conhecido como extrato de casca de pinho marítimo, o picnogenol é um membro do grupo das antocianidinas e da classe maior de flavonóides. Estas substâncias são responsáveis pela cor amarela, vermelha, azul e roxa nas plantas e frutas. O picnogenol é um antioxidante que ajuda a combater o estresse oxidativo. A dose standard de picnogenol é de 100-200 mg diários divididos em duas doses.

Chá Verde para a fertilidade feminina

O chá verde contém uma infinidade de substâncias; as propriedades antioxidantes do chá verde são devidas à abundância de catequinas e em particular de uma delas conhecida como EGCG. As catequinas também estão presentes nas bagas e no cacau. Uma xícara de chá contém em média 50 mg de EGCG, mas estudos realizados em humanos utilizaram doses 10 vezes maiores do que isso. Devido ao seu teor de cafeína e aos efeitos da cafeína na gravidez e possíveis efeitos na fertilidade, é aconselhável tomar um suplemento de extrato de chá verde para aumentar a ingestão de catecina, ao invés de beber grandes quantidades de chá. A dose diária padrão de extrato de chá verde (EGCG) é de 400-800 mg.

Astaxantina

A astaxantina é um carotenóide que dá a cor vermelha ao camarão, salmão, truta, krill e outros organismos marinhos. Embora seja um carotenóide como a vitamina A, não é convertido em vitamina A no corpo humano e por esta razão é não tóxico, seguro e bem tolerado, sem efeitos colaterais conhecidos. Como antioxidante, a astaxantina oferece proteção contra o estresse oxidativo e contra a peroxidação lipídica. A dose padrão de astaxantina é de 5-20 mg diários.

Resumo sobre suplementos para a infertilidade nas mulheres

Depois de ler esta longa lista você pode se perguntar quantos destes suplementos você deve tomar para aumentar sua fertilidade. Portanto, aqui vai um resumo e um conselho:

  • As deficiências de micronutrientes causam vários problemas de saúde e podem diminuir a fertilidade.
  • Uma dieta saudável e equilibrada é geralmente suficiente para evitar as deficiências.
  • Os suplementos são úteis para evitar deficiências quando a dieta está carente de alguns nutrientes.
  • Os suplementos são úteis para apoiar o aumento das necessidades de nutrientes, como durante a gravidez.
  • Os suplementos são geralmente seguros, mas alguns deles podem causar problemas quando ingeridos em doses excessivas e também podem interagir com outros medicamentos.
  • Pergunte sempre ao seu médico antes de tomar um novo suplemento.
  • Os antioxidantes são geralmente seguros e acredita-se que combatam o envelhecimento e outros problemas que afetam vários sistemas corporais. Seu papel na fertilidade ainda é controverso e ainda não há uma conclusão definitiva.

Para mais informações sobre a infertilidade nas mulheres, consulte o artigo dedicado.

Referências
  • Diet and Fertility: A Review.
    AJ Gaskins, JE Chavarro – American Journal of Obstetrics and Gynecology, Aug 2017
  • Diet and female fertility: doctor, what should I eat?
    YH Chiu, JE Chavarro, I Souter – Fertility and Sterility, Sep 2018
  • The effect of micronutrient supplements on female fertility.
    KJ Buhlinga, D Grajeckib – Current Opinion in Obstetrics and Gynecology, June 2013
  • Maternal Selenium, Copper and Zinc Concentrations in Early Pregnancy, and the Association with Fertility.
    JA Grieger, LE Grzeskowiak, RL Wilson – Nutrients, Jul 2019
  • Pretreatment with coenzyme Q10 improves ovarian response and embryo quality in low-prognosis young women with decreased ovarian reserve: a randomized controlled trial.
    Y Xu, V Nisenblat, C Lu – Reproductive Biology and Endocrinology, Mar 2018
  • Iron Intake and Risk of Ovulatory Infertility.
    JE Chavarro, JW Rich-Edwards, BA Rosner – Obstetrics and Gynecology, Nov 2006
  • Association between serum folate and vitamin B-12 and outcomes of assisted reproductive technologies.
    AJ Gaskins, YH Chiu, PL Williams – The American Journal of Clinical Nutrition, Sep 2015
  • The effect of micronutrient supplements on female fertility: a systematic review.
    D Grajecki, BC Zyriax, KJ Buhling – Archives of Gynecology and Obstetrics, Feb 2012
  • Role of micronutrients in the periconceptional period.
    I Cetin, C Berti, S Calabrese – Human Reproduction Update, Jun 2009
  • The importance of folate, zinc and antioxidants in the pathogenesis and prevention of subfertility.
    IMW Ebisch, CMG Thomas – Human Reproduction Update, Nov 2006
  • Role of reactive oxygen species in the pathophysiology of human reproduction.
    A Agarwal, RA Saleh – Fertility and Sterility, Apr 2003
  • The effects of oxidative stress on female reproduction: a review.
    A Agarwal, A Aponte-Mellado – Reproductive Biology and Endocrinology, Jun 2012
  • Office of Dietary Supplements (ODS) – National Institutes of Health (NIH)

Share:

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on linkedin
Share on reddit
Share on vk
Share on tumblr
Share on mix
Share on skype
Share on telegram
Share on whatsapp

Save time and energy

For doctors or clinics recommendation, more information on the topic of this article or a free quotation

Subscribe to the Newsletter