Nefrolitíase: sintomas e tratamento da pedra no rim

As pedras nos rins são uma condição comum e dolorosa dos rins e do trato urinário inferior.

Blausen.com staff (2014). “Medical gallery of Blausen Medical 2014”. WikiJournal of Medicine 1 (2). DOI:10.15347/wjm/2014.010. ISSN 2002-4436. – Own work, CC BY 3.0, https://commons.wikimedia.org/w/index.php?curid=31118601

O que é nefrolitíase?

A nefrolitíase ou urolitíase é mais comumente conhecida como doença da pedra nos rins. Os cálculos renais são cristais sólidos que se formam no trato urinário e são um problema de saúde comum; as estatísticas variam de país para país e nos EUA o risco vitalício de desenvolvimento de cálculos renais é de cerca de 7% para as mulheres e 12% para os homens. A incidência desta doença tem aumentado constantemente nas últimas décadas, com a maioria dos cálculos se desenvolvendo em pessoas entre 20 e 49 anos, com uma taxa de recorrência após o primeiro episódio que pode chegar a 94%, dependendo de muitos fatores.

Os cálculos se formam no trato urinário superior, mas quando se movem para o uréter, o pequeno tubo entre o rim e a bexiga, podem causar uma cólica renal que é muitas vezes descrita pelos pacientes como a pior dor que eles já experimentaram.

Causas da nefrolitíase

Não há uma causa única definida para a formação de cálculos renais, vários fatores estão envolvidos no processo. Os cálculos renais se formam devido à supersaturação da urina: a urina é uma solução que contém minerais e outras substâncias que têm o potencial de cristalizar; quando a quantidade dessas substâncias é maior do que o que pode ser dissolvido na porção líquida da urina, os cristais começam a se formar levando eventualmente a cálculos renais.

Fatores de risco para pedras de rim

Muitos fatores desempenham um papel para aumentar o risco de sofrer de nefrolitíase, inclusive:

  • Baixa ingestão de líquidos. Não beber o suficiente causa um baixo volume de produção de urina; isto significa que a urina será mais concentrada e saturada, com maior risco de formação de cristais.
  • Dieta. Comer muito sal, açúcares, proteínas animais e alimentos ricos em oxalato aumenta o risco de alguns tipos de pedras nos rins.
  • Obesidade e vida sedentária.
  • Genética. Uma história familiar de doença de pedra nos rins aumenta significativamente o risco de desenvolvê-la.
  • Suplementos. A vitamina C tem sido ligada ao maior risco de formação de cálculos, pois aumenta a produção de oxalato na urina.
  • Medicamentos. Drogas sulfonamidas (grande família de medicamentos que inclui muitos antibióticos, antivirais, diuréticos, anticonvulsivos, antiinflamatórios e outros), antiácidos contendo silicato de magnésio e outros medicamentos podem aumentar o risco de formação de cálculos renais.
  • Cirurgias prévias. As cirurgias de bypass gástrico e outros procedimentos bariátricos que levam à má absorção de nutrientes podem aumentar o risco de nefrolitíase.
  • Outras condições médicas. Hiperparatiroidismo, infecções recorrentes do trato urinário, cistinúria, acidose tubular renal, doença inflamatória intestinal, doença de Chron, gota, estão entre as condições que aumentam o risco de desenvolvimento de doença do cálculo renal.

Tipos de pedras nos rins

Nem todas as pedras nos rins são iguais. Elas podem ser compostas de substâncias químicas diferentes que estão associadas a uma causa ou condição subjacente diferente. As pedras geralmente contêm uma mistura de diferentes produtos químicos e também podem conter proteínas.

Pedras de cálcio – Oxalato de cálcio e fosfato de cálcio

Os cálculos de cálcio são o tipo mais comum de cálculo renal, representando 70-90% de todos os cálculos renais e podem ser feitos com duas substâncias químicas diferentes:

  • Pedras de Oxalato de Cálcio. Eles representam 80% dos cálculos de cálcio.
  • Fosfato de cálcio ou hidroxiapatita de cálcio.

Os cálculos de cálcio podem ser causados por excreção elevada de cálcio na urina (hipercalciúria), excreção baixa de citrato (hipocitraturia), excreção elevada de oxalato (hiperoxalúria), baixo volume de urina, pH alcalino da urina, ou por condições como hiperparatireoidismo, má absorção do intestino delgado, ressecção do intestino delgado ou cirurgia de bypass gástrico, acidose tubular distal renal.

Pedras de ácido úrico

As pedras de ácido úrico representam 6-8% de todos os cálculos renais. Eles podem se formar devido ao baixo volume de urina, baixo pH da urina, doença da gota, diabetes, obesidade, doença intestinal, dieta rica em proteínas, síndrome metabólica.

Pedras de estruvita

As pedras de estruvita são responsáveis por 1-15% de todos os cálculos renais, dependendo da fonte. O Estruvita é um mineral que se forma quando magnésio, amônia e fosfatos se combinam. Isto acontece quando ocorre uma infecção bacteriana no trato urinário superior, devido a algumas bactérias que são capazes de converter a uréia em amônia e elevar o pH da urina incluindo Pseudomonas, Proteus, Klebsiella e Staphylococcus.

Cálculo coraliforme de estruvita

Um tipo particular de pedra estruvite é o cálculo de Staghorn ou pedra coraliforme de estruvita, que é uma pedra em forma de coral que preenche a pélvis renal e/ou as calças renais.  A maioria dos pacientes necessitará de tratamento cirúrgico para evitar a perda da função renal e sepse.

Pedras de cistina

As pedras de cistina são raras e representam apenas 1-2% de todos os cálculos renais. Eles são causados por um defeito genético que leva ao aumento dos níveis de cistina, um aminoácido, na urina.

Sintomas de nefrolitíase

As pedras nos rins em geral não causam dor até que comecem a se mover através do rim ou para dentro dos ureteres. As pedras levam semanas, meses ou até mesmo anos para crescerem até um tamanho detectável. Elas podem levar ainda mais tempo para se tornarem sintomáticas, devido ao seu movimento, com dor ou sangue na urina (hematúria).

Pequenas pedras podem não causar nenhum sintoma ou apenas dor ou desconforto mínimos.

Pedras maiores causam sintomas tais como:

  • Súbito início da dor. Também conhecido como cólica renal, isto é devido a espasmo ureteral e é de intensidade crescente. Tal dor é freqüentemente descrita como a pior jamais experimentada pelo paciente. A dor pode estar em um lado das costas ou do abdômen e pode irradiar para a área inguinal ou virilha do mesmo lado. Pode haver dor ou uma sensação de queimação também durante a micção.
  • Hematúria. O sangue na urina é outro sinal comum de doença de cálculos renais.
  • Náuseas e vômitos.
  • Dificuldade para urinar e necessidade persistente de urinar também podem estar presentes.

Diagnóstico de Nefrolitíase

As pedras nos rins podem ser suspeitas com base na história do paciente, sintomas e exame físico. O exame de sangue pode mostrar uma contagem elevada de leucócitos quando uma infecção do trato urinário (IU) está presente. A análise da urina pode mostrar glóbulos brancos e/ou vermelhos e às vezes cristais, mas sua ausência não descarta a presença de um cálculo renal.

A confirmação do diagnóstico requer um estudo de imagem como a tomografia computadorizada (CT-Scan), ressonância magnética (MRI) ou ultra-sonografia.

Como são tratadas as Pedras de Rim?

O tratamento da nefrolitíase varia de acordo com o tipo de pedra, o tamanho e o local, se há ou não uma infecção ou obstrução e os sintomas experimentados pelo paciente.

Pedras pequenas com menos de 5 mm geralmente não requerem tratamento e não causam sintomas, ou apenas algum desconforto ou dor limitada, dependendo do caso individual.

O tratamento de pedras maiores pode incluir:

  • Beber muita água. Beber mais de 2-3 litros de água ajuda tanto na passagem da pedra como na prevenção de sua formação e recidiva.
  • Aliviadores de dor. Dependendo da intensidade dos AINEs, podem ser prescritos acetaminofen, até medicamentos opióides.
  • Drogas antieméticas, quando há náuseas.
  • Antibióticos, quando há uma infecção.
  • Medicamentos bloqueadores alfa, como a tamsulosina, que ajudam a relaxar o uréter ajudando a aliviar a dor de seu espasmo e permitindo uma passagem mais fácil.
  • Medicamentos bloqueadores dos canais de cálcio, como a nifedipina, que ajuda a relaxar os músculos lisos do uréter atuando como bloqueadores alfa.
  • Litotripsia extracorpórea por ondas de choque (ESWL). Um procedimento médico não invasivo que utiliza ondas sonoras de alta energia que visam as pedras nos rins para quebrá-las em pedaços menores que poderão passar por elas. Para visar a pedra e monitorar o progresso, são utilizados raios-X ou uma máquina de ultra-som.
  • Ureteroscopia com fragmentação de pedra a laser ou eletro-hidráulica.
  • Nefrostomia percutânea ou stent duplo J.
  • Cirurgia aberta.

Como prevenir a nefrolitíase

As medidas a seguir são medidas para ajudar a prevenir a formação de cálculos renais. Elas consistem principalmente em mudanças no estilo de vida e na dieta e são facilmente adotáveis pelos pacientes. Tipos específicos de cálculos, resultados de testes ou condições específicas que afetam os pacientes podem exigir diferentes intervenções, por este motivo, consulte sempre seu médico assistente para obter orientação.

Aumentar a entrada de água e o volume de urina

O principal fator que promove a formação de cálculos renais é a supersaturação da urina. A supersaturação da urina é causada pelo baixo volume urinário, que é o resultado da baixa ingestão de líquidos. Por esta razão, beber muita água é uma maneira muito fácil e eficaz de prevenir a formação de pedra nos rins. Os pacientes devem visar 2-2,5 L de urina a cada 24 horas, o que significa beber pelo menos 2,5-3 litros de água todos os dias. Aqueles que vivem em climas mais quentes ou que fazem mais exercício podem ter que beber maiores quantidades de líquidos para atingir a produção de urina desejada.

Algumas bebidas como o suco de laranja podem ser úteis na prevenção de cálculos renais, aumentando os níveis de citrato urinário, enquanto outras como a cola podem aumentar o risco de nefrolitíase devido ao seu teor de ácido fosfórico.

Consumo dietético de cálcio e sódio

Embora o cálcio seja um componente principal da maioria dos cálculos renais, uma ingestão limitada de cálcio não parece ser benéfica: uma baixa ingestão de cálcio está ligada a níveis mais altos de oxalato na urina e um maior risco de formação de cálculos, assim como uma alta ingestão de cálcio através de dieta e/ou suplementação também está ligada a um maior risco de nefrolitíase.

1.000-1.200 mg de cálcio por dia, que é o RDA de cálcio, está associado com menor risco de formação de cálculos.

A redução da ingestão de sódio reduz a excreção de cálcio na urina, diminuindo o risco de formação de cálculos de cálcio. A alta ingestão de sódio também aumenta o risco de formação de cristais de urate de sódio.. A ingestão de sódio deve ser limitada a um máximo de 2,3 g por dia.

Proteínas animais

As proteínas animais podem aumentar o risco de formação de cálculos, diminuindo o pH da urina, diminuindo o citrato urinário e aumentando os níveis de oxalato e ácido úrico na urina. O consumo diário de proteínas animais deve ser limitado a 0,8-1,0 g/kg de peso corporal.

Frutas, legumes e fibras

As fibras parecem ter efeitos benéficos sobre a nefrolitíase e as frutas e vegetais em geral aumentam o pH da urina e a concentração de citrato, diminuindo o risco de formação de cálculos renais.

Produtos ricos em oxalatos

A ingestão excessiva de produtos ricos em oxalato leva a uma alta concentração de oxalato na urina, com maior risco de formação de pedras oxalatadas. Os produtos ricos em oxalato incluem ruibarbo, beterraba, espinafre, cacau e chocolate, farelo de trigo, folhas de chá e nozes. A vitamina C é um precursor do oxalato e deve ser limitada a um máximo de 1.000 mg por dia.

Terapias específicas para causas metabólicas específicas de nefrolitíase

Intervenções médicas específicas para prevenir a formação de cálculos renais com base em resultados de testes ou anormalidades metabólicas incluem:

  • Alcalinização da urina com citrato de potássio ou bicarbonato de sódio. Eficaz contra oxalato de cálcio, ácido úrico e formação de pedra de cistina e em nefrolitíase com hipocitratúria.
  • Allopurinol. Um medicamento eficaz contra pedras de ácido úrico, reduzindo os níveis de ácido úrico na urina.
  • Hydrochlorothiazide. Um medicamento diurético que reduz a excreção de cálcio na urina, diminuindo o risco de desenvolvimento de pedras de cálcio. Requer uma dieta pobre em sódio para ser eficaz.
  • Tiopronina. Um medicamento que reduz a excreção de cistina na urina e o risco de desenvolvimento de pedras de cistina.
  • Quelação do oxalato com cálcio ou magnésio, naqueles com altos níveis de oxalato (hiperoxalúria) na urina para diminuir o risco de formação de cálculos de oxalato de cálcio.
  • Piridoxina (Vitamina B6) na hiperoxalúria primária para diminuir o risco de formação de pedras de oxalato de cálcio.
Referências

Share:

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on linkedin
Share on reddit
Share on vk
Share on tumblr
Share on mix
Share on skype
Share on telegram
Share on whatsapp

Save time and energy

For doctors or clinics recommendation, more information on the topic of this article or a free quotation

Subscribe to the Newsletter