Escrotoplastia: cirurgia de reconstrução escrotal em homens transgêneros

A escrotoplastia é um termo amplo que indica qualquer cirurgia plástica ou reconstrutiva do escroto; pode ser realizada para reparar defeitos ou danos sofridos no escroto ou pode ter como objetivo a reconstrução completa do escroto, como no caso de homens trans, como um dos procedimentos de mudança de sexo. A escrotoplastia também é utilizada para indicar cirurgias estéticas realizadas em homens cisgêneros, como aqueles que sofrem de frouxidão escrotal excessiva, caso em que é conhecida como levantamento escrotal ou rejuvenescimento escrotal.

Neste artigo do blog vou focar o caso específico da escrotoplastia para pacientes transgêneros de feminino para masculino.

O escroto é um saco elástico fino feito de pele que contém os testículos e o epidídimo e que está localizado na base do pênis. Sua função é abrigar e proteger os testículos, para controlar sua temperatura e, portanto, permitir o funcionamento ideal de tais órgãos e a produção de esperma. Do ponto de vista estético, há grande variabilidade de forma e volume não apenas entre diferentes machos biológicos, mas também no mesmo sujeito masculino a diferentes temperaturas ou idades.

No caso de homens transgêneros, a escrotoplastia tem o objetivo de criar um escroto esteticamente agradável e preciso a partir de outros tecidos do paciente, tais como os lábios maiores.

No início do campo da medicina e cirurgia transgênero, muito foco foi colocado em procedimentos como a falloplastia para o tratamento da disforia de gênero, mas pouca importância foi dada à escrotoplastia. Durante os anos, os pacientes começaram a ser mais exigentes no que diz respeito aos resultados estéticos, impulsionando os cirurgiões a avançar e desenvolver e melhorar novas técnicas cirúrgicas no campo da cirurgia de mudança de sexo; os objetivos cirúrgicos atuais incluem agora a criação tanto de um pênis quanto de um escroto de aparência natural e esteticamente satisfatório.

Técnicas cirúrgicas de escrotoplastia para homens trans

Existem várias técnicas cirúrgicas que podem ser realizadas para a realização de uma escrotoplastia em homens transgêneros. Na maioria das vezes, porém, os cirurgiões optam por utilizar os tecidos colhidos dos lábios maiores para reconstruir o escroto: uma das principais razões para isso, é que ambos evoluem da mesma estrutura embrionária durante o desenvolvimento; além disso, ambos têm a mesma consistência e aparência, a mesma cor, têm cabelos e compartilham as mesmas terminações nervosas que respondem ao toque e à estimulação erógena.

Outras técnicas cirúrgicas empregadas no passado para a realização da escrotoplastia eram a utilização de retalhos de tecido da região púbica, inguinal ou das coxas. Esta técnica, porém, não é fácil de realizar, carrega mais riscos e deixa para trás cicatrizes evidentes onde os tecidos são colhidos, o que leva à insatisfação do paciente. A sensação erogenética e tátil também é pobre e insatisfatória.

Portanto, há um consenso geral sobre o uso de retalhos labia majora, às vezes empregando expansores de tecido para superar a questão do baixo volume do neo-escroto criado cirurgicamente; nestes casos, após 6-12 meses da primeira etapa da escrotoplastia há espaço suficiente para a inserção dos implantes testiculares.

Inicialmente, a cirurgia foi realizada suturando os lábios maiores juntos, deixando-os no mesmo local em que se encontram na fêmea biológica. Esta técnica, porém, era esteticamente imprecisa e funcionalmente inconveniente, com o neo-escroto entre as coxas; os resultados ainda eram muito parecidos com a anatomia feminina.

Técnicas posteriores foram desenvolvidas para abordar estas questões e para reconstruir um escroto esteticamente preciso numa posição mais anterior, na frente das coxas, conforme a anatomia fisiológica dos machos biológicos. Para alcançar este resultado, o cirurgião realiza incisões na parte inferior dos lábios maiores e também na área do osso púbico; as abas obtidas são então viradas para cima e suturadas para formar um saco.

A escrotoplastia no caso dos homens transgêneros quase nunca é realizada como um procedimento autônomo, mas geralmente faz parte de uma cirurgia mais complexa feita de múltiplos procedimentos e conhecida como cirurgia de mudança de sexo. Algumas vezes a histerossalpingo-oophorectomia bilateral é realizada anteriormente, mas freqüentemente é realizada com a vaginectomia, a escrotoplastia, a faloplastia ou a metoidioplastia e o alongamento uretral como uma única cirurgia para a reconstrução genital.

Riscos e complicações da escrotoplastia

A escrotoplastia não comporta riscos particulares e não está sujeita a muitas complicações. Como qualquer cirurgia há riscos, como sangramento, hematomas, deiscência (abertura) e infecção, mas são raros. Além disso, a necessidade de uma cirurgia de revisão é rara e as poucas complicações que podem surgir são manejáveis de forma conservadora.

Os resultados obtidos com a técnica mais recente descrita para a escrotoplastia são satisfatórios tanto esteticamente quanto funcionalmente; a sensação erógena e tátil satisfaz a quase totalidade dos pacientes.

Critérios para o procedimento de escrotoplastia

Como parte de um conjunto de cirurgias que inclui também a metoidioplastia ou faloplastia, a vaginectomia e muitas vezes a histerosalpingo-oophorectomia, as Normas de Atenção 7ª edição da Associação Profissional Mundial para a Saúde Transgêneros (WPATH) estabelecem alguns critérios ou pré-requisitos para ter acesso a esta cirurgia.

  1. Diagnóstico persistente e bem documentado da disforia de gênero
  2. Em plena posse de suas faculdades. Capaz de tomar uma decisão plenamente informada e de dar consentimento para o tratamento.
  3. Idade da maioridade.
  4. A ausência de contra-indicações médicas absolutas (condições médicas que tornariam a realização da cirurgia muito arriscada).
  5. Pelo menos 12 meses contínuos de terapia de reposição hormonal masculinizante.
  6. Pelo menos 12 meses contínuos de vida em um papel de gênero que seja congruente com sua identidade de gênero.

Estes critérios não são aplicados aos pacientes submetidos a um procedimento de escrotoplastia por outras razões que não o tratamento da disforia de gênero.

Referências
  • Scrotal Reconstruction in Female-to-Male Transsexuals: A Novel Scrotoplasty.
    Selvaggi G, Hoebeke P, Ceulemans P, Hamdi M, Van Landuyt K, Blondeel P, De Cuypere G, Monstrey S – Plastic & Reconstructive Surgery Journal, Giu 2009
    DOI: https://doi.org/10.1097/prs.0b013e3181a659fe
  • Sex Reassignment Surgery in the Female-to-Male Transsexual
    Monstrey SJ, Ceulemans P, Hoebeke P – Seminars in Plastic Surgery Journal, Ago 2011
    DOI: https://doi.org/10.1055/s-0031-1281493
  • Novel surgical techniques in female to male gender confirming surgery
    ML Djordjevic – Translational Andrology and Urology Journal, Ago 2018
    DOI: https://doi.org/10.21037/tau.2018.03.17
  • Management of Gender Dysphoria – A Multidisciplinary Approach
    C Trombetta, G Liguori, M Bertolotto – Springer, 2015

Share:

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on linkedin
Share on reddit
Share on vk
Share on tumblr
Share on mix
Share on skype
Share on telegram
Share on whatsapp

Save time and energy

For doctors or clinics recommendation, more information on the topic of this article or a free quotation

Subscribe to the Newsletter