Transição de gênero: guia completo para transgêneros

Neste artigo vou falar brevemente sobre a transição de masculino para feminino e de feminino para masculino. Não falaremos sobre a burocracia da transição de gênero nem sobre os aspectos legais da transição para a qual aconselhamos a leitura de outros sites especializados sobre o tema. Portanto, falaremos sobre isso:

  1. Diagnóstico da disforia de gênero
  2. Terapia hormonal para pacientes transgêneros
  3. Terapia cirúrgica para disforia de gênero que inclui vários tratamentos cirúrgicos definidos como
    • Cirurgia primária (Cirurgia de Reatribuição de Sexo/Gênero)
    • Cirurgia secundária (reconstrução da parede do tórax)
    • Cirurgias Acessórias (todas as outras cirurgias de feminização ou masculinização)

Começamos dizendo que este caminho não é obrigatório para todos; nenhuma destas etapas é necessária para validar sua identidade de gênero. Estou apenas tentando fornecer informações aos interessados nos aspectos médicos e cirúrgicos da transição.

A Associação Profissional Mundial de Saúde Transgênero (WPATH) publicou as diretrizes  para as instalações médicas e profissionais envolvidos no processo de transição, desde psicólogos, até terapeutas da fala, passando por médicos e cirurgiões, todos aqueles envolvidos na assistência à população transgênero, transsexual e não-conforme com o gênero.

Este protocolo estabelece também os requisitos para acessar as terapias médicas e cirúrgicas. Os critérios são baseados na melhor ciência disponível e no consenso profissional especializado e são estabelecidos para evitar escolhas prematuras; os critérios oferecem amplas oportunidades para que os pacientes experimentem e se ajustem socialmente em seu papel de gênero desejado e para minimizar os casos em que um paciente possa se submeter a procedimentos médicos e cirúrgicos invasivos, às vezes irreversíveis, e depois os lamentar.

Indivíduos cisgêneros e não-conformes de gênero: compreensão da terminologia

Cisgênero refere-se a todas as pessoas que se reconhecem com seu gênero biológico. Os cisgêneros se comportam, se conformam com o papel social e sentem sua identidade de gênero como aquela que lhes foi atribuída no nascimento.

A não-conformidade de gênero refere-se a todos os indivíduos que não são cisgêneros por causa de um ou mais aspectos de sua identidade. Refere-se a todas as pessoas que apresentam traços psicológicos, comportamentais ou socioculturais que não estão em conformidade com os estereotipados de seu gênero atribuídos ao nascimento. Esta ampla categoria inclui vários grupos heterogêneos diferentes que não se enquadram nas categorias clássicas masculina e feminina. Uma das muitas subcategorias reconhecidas neste grupo é a da população transgênero.

Transgênero refere-se a todas as pessoas cuja identidade de gênero, ou seja, o gênero do qual se sentem parte ou o gênero percebido, não é seu gênero biológico ou aquele que lhes foi atribuído no nascimento; eles se identificam no oposto. A orientação sexual nada tem a ver com a identidade de gênero e não é relevante para esta classificação.

F2M ou FtM ou feminino-para-masculino refere-se a todos os transgêneros cujo gênero atribuído ao nascimento é o feminino, apesar de se sentirem parte do gênero masculino, e que começaram a fazer a transição de um gênero para o outro.

M2F ou MtF ou masculino-para-feminino refere-se a todas as transexuais cujo gênero designado ao nascer é o masculino, apesar de se sentirem parte do gênero feminino, e que iniciaram a transição de um gênero para o outro.

Pertencer a uma categoria diferente de cisgênero não é considerado um distúrbio mental como estabelecido tanto pela OMS em seu CID-11 (Classificação Internacional de Doenças 11ª edição) quanto pelo DSM-V (Manual de Diagnóstico e Estatística de Distúrbios Mentais 5ª edição).

A disforia de gênero é um estado patológico de angústia e desconforto que pode causar muitos sintomas como depressão, irritabilidade, ansiedade, comportamento compulsivo e outros. A disforia de gênero é causada por uma discrepância entre a identidade de gênero de uma pessoa e o sexo dessa pessoa atribuído ao nascimento (e o papel de gênero associado e/ou as características sexuais primárias e secundárias). Nem todos os indivíduos transgêneros ou não-conformes de gênero sofrem disso, o que poderia se manifestar tanto como uma doença permanente quanto como uma doença temporária.

doctor close up

Terapia e tratamento para disforia de gênero

Para alguns dos casos, a ajuda da psicoterapia é suficiente para permitir ao paciente transgênero integrar sua identidade de gênero no gênero que lhe foi atribuído no nascimento. Estes indivíduos resolverão assim a disforia (angústia) sem a necessidade de recorrer a terapias médicas e cirúrgicas.

Outros indivíduos são capazes de superar a disforia simplesmente expressando sua identidade de gênero socialmente e com seu comportamento, com ou sem psicoterapia, e novamente sem qualquer tratamento médico ou cirúrgico necessário.

Porém, a disforia de gênero está freqüentemente, mas nem sempre, associada ao desejo de se livrar das características sexuais primárias e secundárias que pertencem ao sexo atribuído ao nascimento e com o forte desejo de desenvolver e ter as características sexuais primárias e secundárias do gênero percebido.

Nestes casos, a partir do diagnóstico de disforia de gênero e da abordagem psicoterapêutica inicial necessária para evitar tratamentos prematuros que são parcial ou totalmente irreversíveis e que comportam riscos, o paciente pode passar para um ou mais tratamentos médicos e cirúrgicos. Nenhum desses tratamentos é obrigatório, cabe a cada indivíduo decidir o que precisa e o que é melhor para alcançar a paz de espírito. Portanto, cada abordagem terapêutica é diferente e adaptada às necessidades do paciente e às suas próprias características.

Em quase todos os casos, o primeiro passo é a terapia hormonal.

A terapia hormonal pode ter resultados variáveis com base nas características iniciais do paciente, mas também com base em seus próprios objetivos e expectativas. Além disso, a terapia hormonal é um pré-requisito para algumas das terapias cirúrgicas.

No que diz respeito às várias cirurgias disponíveis, remetemos você para os links abaixo, que o levarão a posts completos sobre cada tema.

Transição de gênero feminino para masculino

Transição de gênero masculino para feminino

Em todos esses casos, a definição adequada é procedimentos reconstrutivos, não procedimentos estéticos, pois são realizados para que a aparência física do paciente seja congruente com sua identidade de gênero. É, para todos os efeitos, uma terapia médica e cirúrgica, uma vez que é destinada e capaz de tratar eficazmente a disforia de gênero.

Referências
  • Standards of Care – 7th edition – World Professional Association for Transgender Health (WPATH)
    https://www.wpath.org/publications/soc
  • DSM-V – Diagnostic and Statistic Manual of Mental Disorders – Fifth Edition

Share:

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on linkedin
Share on reddit
Share on vk
Share on tumblr
Share on mix
Share on skype
Share on telegram
Share on whatsapp

Save time and energy

For doctors or clinics recommendation, more information on the topic of this article or a free quotation

Subscribe to the Newsletter