Procedimento de Vaginectomia em homens transgêneros

A vaginectomia, também conhecida como colpectomia vaginal, é um dos procedimentos cirúrgicos realizados em cirurgia de mudança de sexo de feminino para masculino.

A cirurgia consiste em duas etapas:

  1. Colpectomia, que é a excisão e remoção do revestimento vaginal.
  2. Colpocleisis, que é o fechamento cirúrgico da vagina através da aplicação de suturas em todo o canal vaginal

A vaginectomia geralmente faz parte de um conjunto de procedimentos e não é realizada por si só; tais procedimentos são a histerosalpingo-ooforectomia, a metoidioplastia ou a faloplastia com alongamento uretral e a escrotoplastia.

Tipos de Cirurgia

De modo geral, e não no caso específico da cirurgia de mudança de sexo para homens trans, existem diferentes procedimentos conhecidos como vaginectomia:

  1. Vaginectomia parcial, quando apenas parte dos tecidos vaginais é excisada. É um tipo de cirurgia realizada em pacientes oncológicas quando os tumores são pequenos e localizados, afetando apenas a membrana mucosa da vagina.
  2. Vaginectomia total, quando todos os tecidos vaginais são excisados. Pode ser realizada em pacientes com câncer quando o tumor não está localizado, ou em pacientes ginecológicas que sofrem de prolapso uterino ou vaginal, ou em pacientes transgênero durante sua transição de feminino para masculino e onde parte dos tecidos anteriores próximos à uretra será poupada para realizar o alongamento uretral.
  3. Vaginectomia radical, quando todos os tecidos vaginais e paravaginais (ao redor da vagina) são removidos. É uma cirurgia invasiva e radical, geralmente realizada em caso de câncer em estágio avançado.

Razões para vaginectomia em homens transgêneros

A razão mais óbvia pela qual os homens trans passam por uma vaginectomia é claramente a de remover os órgãos sexuais femininos, uma vez que eles não são congruentes com sua identidade de gênero e podem causar disforia de gênero.

Outra razão pela qual eles procuram esta cirurgia é que ao remover todos os tecidos vaginais não há mais necessidade de se submeter a exames ginecológicos e testes HPV periódicos, assim como não há mais secreções produzidas pelo revestimento vaginal. Além disso, a terapia de reposição hormonal com testosterona leva a alterações atróficas da mucosa da vagina que podem causar coceira, sensação de queimação, desconforto e outros problemas; ao se submeter à vaginectomia todos estes sintomas desaparecerão.

Além disso, a partir de pesquisas médicas publicadas, parece que a realização de uma vaginectomia ao mesmo tempo em que se realiza uma faloplastia permite o uso de tecidos vestibulares vaginais vascularizados para realizar o alongamento uretral, o que resulta em uma menor taxa de complicações como fístulas e estreitamentos uretrais que necessitam de cirurgia corretiva. Graças à uretroplastia, a paciente pode urinar em pé, o que de outra forma não seria possível.

O procedimento de vaginectomia

A Vaginectomia é uma cirurgia invasiva que requer uma internação hospitalar.

A cirurgia é realizada sob anestesia geral e geralmente é feita em combinação com outros procedimentos como a histerosalpingo-ooforectomia e a reconstrução genital através da faloplastia ou metoidioplastia com alongamento uretral e a escrotoplastia.

O paciente está sentado em uma posição semelhante ao parto, para expor as regiões vaginais e perineais. A região pélvica é examinada, e o cateter urinário é inserido. Uma incisão é feita ao redor da vagina, atingindo a fáscia pubocervical. O cirurgião então separa a mucosa das paredes vaginais. A artéria pudendal é identificada, pinçada e ligada. O cirurgião então procede com a dissecção da vagina abaixo da uretra e da bexiga, prestando atenção para não danificar nenhum dos muitos vasos sanguíneos presentes naquela região. A bexiga é separada da parede vaginal, assim como os ureteres, o colo uterino e o reto. Neste ponto, é possível extrair a vagina sem danificar nenhuma das estruturas circundantes. O assoalho pélvico é então reconstruído para evitar complicações pós-operatórias como rectocele, ou hérnia do reto na região vaginal, e cistocele que é o prolapso da bexiga para a região vaginal. Finalmente, suturas são colocadas para fechar o canal vaginal e a abertura vaginal.

Informações pós-operação

O tempo de recuperação varia de acordo com as cirurgias realizadas com a vaginectomia ou se foi realizada como procedimento autônomo. Em geral, será necessária uma estadia hospitalar de uma semana e haverá um dreno cirúrgico durante os primeiros dias pós-operatórios. Após cerca de duas semanas, a dor ou desconforto sentido será consideravelmente menor e será possível voltar ao trabalho e à vida diária; a dor e o desconforto na fase aguda serão de qualquer forma controlados com medicamentos prescritos pela equipe médica. Haverá algumas restrições iniciais nas atividades permitidas: exercício físico, especialmente quando intenso, não será permitido, assim como ciclismo, natação e relações sexuais.

Riscos e complicação da vaginectomia

A vaginectomia é um procedimento cirúrgico invasivo realizado sob anestesia geral. Como tal, ela carrega riscos e possíveis complicações, entre as quais há sangramento perioperatório e pós-operatório, infecção localizada ou sepse, fístula urinária, disfunções retais tais como constipação, trombose venosa profunda (TVP), dor, febre e danos ao trato urinário inferior.

Critérios para vaginectomia na mudança de sexo feminino para masculino

As Normas de Atenção 7ª edição da Associação Profissional Mundial para a Saúde Transgênero (WPATH) estabelecem critérios para ser elegível para a vaginectomia no processo de transição de feminino para masculino:

  1. Diagnóstico persistente e bem documentado de disforia de gênero
  2. Em plena posse de suas faculdades. Capaz de tomar uma decisão plenamente informada e de dar consentimento para o tratamento.
  3. Idade da maioridade
  4. A ausência de contra-indicações médicas absolutas (condições médicas que tornariam a realização da cirurgia muito arriscada).
  5. Pelo menos 12 meses contínuos de terapia de reposição hormonal com andrógenos

Estes critérios não são aplicados às pacientes que se submetem a uma vaginectomia por razões e indicações que não sejam o tratamento de disforia de gênero.

Referências
  • Principles of Transgender Medicine and Surgery – 2nd edition
    Ettner R, Monstrey S, Coleman E – Routledge 2016
  • Transgender Medicine – A multidisciplinary Approach
    Poretsky L, Hembree WC – Springer 2019
  • Phalloplasty with Urethral Lengthening: Addition of a Vascularized Bulbospongiosus Flap from Vaginectomy Reduces Postoperative Urethral Complications
    Massie JP, Morrison SD, Wilson SC, Crane CN, Chen ML – Plastic & Reconstructive Surgery Journal, Ott 2017
    DOI: https://doi.org/10.1097/prs.0000000000003697
  • The World Professional Association for Transgender Health Standards of Care 7th Ed.
  • Sex Reassignment Surgery in the Female-to-Male Transsexual
    SJ Monstrey, P Ceulemans, P Hoebeke – Seminars in Plastic Surgery Journal, Ago 2011
    DOI: https://doi.org/10.1055/s-0031-1281493
  • Outcome and Risk Factors for Vaginectomy in Female-to-Male Transsexuals
    M Spilotros, DJ Ralph, N Christopher – Institute of Urology (London) – World Meeting on Sexual Medicine 2013

Share:

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on linkedin
Share on reddit
Share on vk
Share on tumblr
Share on mix
Share on skype
Share on telegram
Share on whatsapp

Save time and energy

For doctors or clinics recommendation, more information on the topic of this article or a free quotation

Subscribe to the Newsletter

Leave a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *