Inseminação Intrauterina (IIU) para tratamento de fertilidade

A inseminação intra-uterina (IIU), também conhecida como inseminação artificial (IA), é um tratamento de fertilidade e um procedimento médico simples no qual os espermatozóides são coletados e especialmente preparados para serem injetados diretamente através do colo uterino e no útero.

Após 6 a 12 meses de tentativa de concepção sem sucesso, um casal é aconselhado a procurar uma consulta com um especialista em fertilidade. Após consulta e testes, o médico saberá quais fatores e causas estão afetando a fertilidade ou diagnosticará o casal com infertilidade inexplicável. Quando os fatores e causas forem conhecidos, poderá ser suficiente

Quando estas intervenções básicas falham, quando o casal sofre de infertilidade inexplicável ou quando não há indicação para tais intervenções, o casal pode procurar tecnologias reprodutivas assistidas (TRA), sendo a mais conhecida a inseminação intra-uterina (IIU) e a fertilização in-vitro (FIV).

A IIU é mais barata e menos invasiva do que a FIV e por esta razão pode ser sugerida como o tratamento de primeira linha para a infertilidade. Entretanto, a inseminação intrauterina tem uma taxa de sucesso menor quando comparada à fertilização in-vitro.

A IIU pode ser usada em conjunto com medicamentos de fertilidade ou em uma abordagem natural não medicada, dependendo da indicação do procedimento.

Indicações para a inseminação intra-uterina (IIU)

A inseminação intrauterina é um tratamento de fertilidade para tratar tanto as causas de infertilidade masculina quanto a feminina. É indicado para as seguintes condições:

  • Infertilidade inexplicada, geralmente em conjunto com medicamentos de fertilidade
  • Endometriose mínima ou leve.
  • Inseminação de espermatozóides doador. Para mulheres solteiras, casais lésbicas ou infertilidade severa do fator masculino.
  • Espermatozóides congelados. Quando o macho teve seu esperma congelado antes de ser submetido a tratamentos cirúrgicos ou médicos, como o tratamento do câncer, que pode causar infertilidade de fator masculino.
  • Problemas de ovulação.
  • Questões relacionadas ao esperma. Tais como baixa contagem de espermatozóides, problemas de motilidade espermática, anormalidades morfológicas e espermatozóides de baixa qualidade em geral.
  • Questões cervicais. Quando o muco produzido pelo colo uterino é muito espesso e não permite que o esperma viaje através dele, ou quando há um estreitamento do colo uterino afetando a passagem do espermatozóide.
  • Disfunção sexual. Tais como disfunção erétil, anejaculação e ejaculação precoce no homem ou vaginismo na mulher.
  • Alergia ao sêmen. Em casos raros, as mulheres podem ser alérgicas a algumas proteínas do sêmen de seus parceiros. Ao serem submetidas à IIU, as proteínas são lavadas durante o preparo da amostra de esperma e antes da injeção no útero, para que não ocorra nenhuma reação.
  • Doenças Sexualmente Transmissíveis (DSTs). Para evitar a transmissão de doenças tais como HIV ou HCV quando apenas um parceiro tiver testado positivo.

A IIU não é indicada nos seguintes casos:

  • Idade materna avançada
  • Infecções, tais como cervicite ou endometrite
  • Atresia cervical ou estenose cervical.
  • Amenorréia
  • Grave infertilidade do fator masculino
  • Endometriose severa
  • Doença grave da trompa de Falópio
  • Infertilidade imunológica. Quando a parceira produz anticorpos anti-espermatozóides (ASA).

Procedimento de inseminação intra-uterina (IIU)

A inseminação intra-uterina pode ser realizada durante um ciclo natural de ovulação ou em um ciclo estimulado por drogas.

Durante um ciclo natural, a IUI será realizada por volta do momento da ovulação quando houver um aumento no hormônio luteinizante (LH) que faz com que o óvulo maduro seja liberado. Por esta razão, o dia da ovulação tem que ser conhecido usando kits de ovulação domiciliar (testes de urina), testes de sangue ou ultra-som. O parceiro masculino terá que se abster de ejacular durante 2-5 dias antes de fornecer a amostra de sêmen.

O sêmen será coletado na clínica, pois precisa ser processado logo após a ejaculação. O laboratório lavará a amostra e separará o sêmen do líquido seminal. Os melhores espermatozóides são selecionados e concentrados e depois inseridos em um pequeno tubo. Este processo leva cerca de 2 horas.

Para a mulher, o procedimento é rápido e indolor. Após se deitar, um espéculo será inserido na vagina para visualizar o colo uterino. O cateter (pequeno tubo) será inserido na vagina e através do colo uterino para liberar o espermatozóide diretamente no útero. Este processo leva apenas alguns minutos. A paciente poderá ter que se deitar por 15-45 minutos após o procedimento; depois disso, ela poderá voltar ao trabalho ou prosseguir com suas atividades diárias. Após 2 semanas, a paciente fará um teste de gravidez.

Durante um ciclo estimulado por medicamentos, o processo de IIU é o mesmo. A diferença é que serão usadas drogas para estimular os ovários e os folículos para amadurecer os óvulos e/ou drogas para retardar a ovulação ou para que a ovulação ocorra. Normalmente, neste caso, são utilizadas ultra-sonografias para monitorar o desenvolvimento dos óvulos.

Outras técnicas de coleta de espermatozóides

Há outras técnicas que podem ser empregadas para obter o esperma no caso que o parceiro masculino não seja capaz de produzir uma amostra de esperma ou quando não há esperma em sua ejaculação, como na azoospermia obstrutiva, vasectomia, anormalidades anatômicas congênitas, ejaculação retrógrada e muito mais. Geralmente são realizadas antes do processo de coleta de óvulos quando se faz fertilização in vitro (FIV) ou injeção intracitoplasmática de esperma (ICSI), mas também podem ser realizadas no contexto da IIU. Os espermatozóides também são criopreservados seguindo estas técnicas para uso futuro na FIV ou ICSI.

Aspiração Percutânea de Espermatozóides do Epidídimo (PESA)

PESA é uma técnica onde uma agulha é usada para perfurar a pele e alcançar o epidídimo e depois aspirar com uma seringa para extrair o esperma. Ela é realizada sob anestesia local.

Aspiração testicular de espermatozóides (TESA)

TESA é uma técnica em que uma agulha é inserida através do escroto e dentro do testículo. O tecido testicular e o esperma são aspirados e depois processados.  Ela é realizada sob anestesia local.

Extração de espermatozóides testiculares (TESE)

A TESE é uma técnica em que um pequeno pedaço de tecido testicular é removido cirurgicamente e depois processado para extrair o esperma. Ela é realizada sob anestesia local ou com sedação.

Aspiração Microcirúrgica Epididimal do Esperma (MESA)

MESA é uma técnica realizada na sala de cirurgia com um microscópio cirúrgico. Ela permite a coleta de uma amostra maior de espermatozóides quando comparada às técnicas de aspiração. Ela é realizada sob anestesia geral.

Microdissecção TESE (microTESE)

microTESE é um procedimento realizado na sala de cirurgia com um microscópio cirúrgico e sob anestesia geral. Ele permite uma melhor recuperação de esperma quando comparado ao TESE e para menos danos ao tecido.

Riscos da IIU

A inseminação intra-uterina (IIU) é um procedimento médico simples e geralmente seguro. Com a IIU há um baixo risco de infecção, a possibilidade de spotting (sangramento vaginal) que geralmente é mínima e inofensiva para o sucesso do procedimento e o risco de gravidez múltipla quando a IIU é pareada com drogas de fertilidade devido ao possível desenvolvimento de múltiplos folículos que produzirão múltiplos ovos maduros. Para evitar gravidez múltipla, é possível monitorar o desenvolvimento dos folículos realizando uma ultra-sonografia transvaginal; se o risco de gravidez múltipla for muito alto, o procedimento é adiado.

Taxa de sucesso da inseminação intra-uterina

A taxa de sucesso depende de múltiplos fatores, como idade materna, causa de infertilidade e se os medicamentos de fertilidade são usados em combinação com o procedimento.

Em média, a taxa de sucesso da IIU é de cerca de 10-20% por ciclo. As chances de declínio acentuado após 40 anos de idade com uma taxa de sucesso em torno de 1-5%.

A IIU é geralmente usada por 3-6 meses (3-6 ciclos) antes de passar para outros tratamentos de fertilidade, como a FIV.

Custos da inseminação intra-uterina (IIU)

Os preços de tratamento para inseminação intra-uterina (IIU) variam muito com base na clínica, no uso de medicamentos de fertilidade, quais testes estão incluídos e outras variáveis. Em média, cada ciclo IIU custa aproximadamente:

  • 700 a 1.600 GBP (850-1.950 USD) no Reino Unido.
  • 800 a 1.400 EUR (870-1.530 USD) na Irlanda
  • 2,000-3,500 AUD (1,300-2,300 USD) na Austrália
  • 500-4.000 USD nos EUA
  • 12.000-22.000 BHT (375-690 USD) na Tailândia

Confira meus outros artigos sobre tratamentos de infertilidade e fertilidade:

Referências

Share:

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on linkedin
Share on reddit
Share on vk
Share on tumblr
Share on mix
Share on skype
Share on telegram
Share on whatsapp

Save time and energy

For doctors or clinics recommendation, more information on the topic of this article or a free quotation

Subscribe to the Newsletter